Minuto49

Minuto49

Ranking MVP - Semana 24: Temos um vencedor!

Após 24 semanas de muita intensidade, grandes surpresas, reviravoltas e ótimos duelos, mais uma temporada chega ao fim. Desta vez, tivemos a briga mais acirrada dos últimos anos, pelo prêmio máximo individual. 20 jogadores diferentes passaram por aqui ao longo da temporada, 11 chegaram a entrar no top 5 e 4 deles lideraram a disputa em algum momento!


Tivemos campanhas promissoras sendo interrompidas por lesões, times inesperados que trouxeram nomes surpreendentes ao topo do ranking, mas duas histórias se destacaram das demais ao longo da disputa. Pois afinal, isto é o prêmio de MVP, narrativas que se constroem durante a temporada para que no fim decida-se qual delas merece ficar marcada na história.


James harden e Giannis Antetokounmpo construíram suas narrativas sobre pilares diferentes, de forma genuína, e acabaram dividindo a opinião dos fãs. O Barba colocou números assustadores, teve sequências históricas e nos deu a oportunidade de ver um nível de scorer que raramente a liga presenciou. Enquanto o Greek Freak dominou. Dominou no ataque e na defesa, dominou os principais times da liga, dominou a Conferência Leste, dominou os Bucks levando-os à melhor campanha da liga.

No entanto, escolherei apenas um como vencedor deste ranking e não apenas por achar que merece vencer o prêmio, mas porque acredito que irá vencer! E antes de decretar a vitória de alguém, vou deixar claro os critérios que usei ao longo de toda a temporada, para que ninguém caindo de paraquedas neste texto pense que tudo foi decidido no “achismo”.

Critérios

Estatística - O quão impressionante as estatísticas deste jogador são?
Impacto (PIE) - O quão decisivo o jogador foi para a campanha e performances de sua equipe?
Desempenho coletivo - Qual foi o sucesso de sua equipe? Raramente o prêmio é dado a jogadores de times que venceram menos que 50 vitórias.
Narrativa - Qual o tamanho do impacto da história contada ao longo da temporada por este jogador? Tivemos o exemplo de Russell Westbrook, que não teve uma boa temporada, principalmente coletiva, em 2017, mas a narrativa lhe valeu o prêmio.


Com isso, vamos ao nosso vencedor:



O MVP


Giannis Antetokounmpo



Principais estatísticas: 27,7 pontos, 12,5 rebotes, 5,9 assistências e 21,6 de PIE¹

Do início ao fim. Quem nos acompanha semana a semana se lembra de que este ranking se iniciou com o grego na liderança. Ele foi minha aposta para a temporada, sim, mas me surpreendeu ainda mais. Giannis é uma aberração em quadra, ele consegue estar em todos os lugares, faz tudo muito bem e se entrega 100% do tempo, seja no ataque ou na defesa.


Sem contar que o Antetokounmpo traz ao topo todos os critérios citados.


Ninguém nunca teve a combinação de médias dele. Ele corre a quadra de ponta a ponta controlando a bola como um armador, com a força e velocidade de LeBron James, pegando rebotes como power forward, e aproveitamentos de arremesso como pivôs (57,1% FG). É o jogador de maior impacto na liga, liderando em PIE. E preciso dizer que os Bucks serão a única franquia a chegar em 60 vitórias nesta temporada?


Assim se forma a melhor história da temporada, de um grego que veio desacreditado pela mídia, escolhido na 13ª posição do draft, foi evoluindo ano após ano, colocou Milwaukee Bucks no topo pela primeira vez em 45 anos, quando Kareem Abdul-Jabaar atuava por lá. Mais que merecido, Giannis levará para a casa sua primeira estatueta, se tornando o segundo europeu a conquistá-la (primeiro foi Dirk Nowitzki), só que o mais animador disso tudo é que essa narrativa é tão boa que tem desenrolar para mais uns bons anos!


    2. James Harden



Principais estatísticas: 36,1 pontos, 6,6 rebotes, 7,6 assistências e  20,1 de PIE


Que temporada memorável! Para se aplaudir de pé.


É verdadeiramente inacreditável o que James Harden foi capaz de fazer nesta campanha, algo que eu jamais imaginei que veria. TRINTA E SEIS pontos de média, nos lembrando os bons tempos do auge de Kobe Bryant, as infiltrações de Michael Jordan e recordes absurdos só alcançados por Wilt Chamberlain. Essa é sétima melhor temporada no quesito pontos, ficando atrás somente de Michael Jordan (1986-87) e Wilt Chamberlain (5x campanhas melhores que  essa.


Foram oito jogos com pelo menos 50 pontos! A segunda melhor marca em uma única temporada, na era pós Wilt Chamberlain, ficando atrás apenas de Kobe Bryant (2006/07). Mesmo assim, o ‘Barba’ já é o quarto maior produtor de jogos deste calibre na história, empatado com Elgin Baylor.


E não podemos esquecer que no início da temporada o Houston penava para se manter entre os dez melhores times da conferência e quando Harden ascendeu para tais números, a franquia ganhou vida novamente e hoje está na terceira posição. Nunca nos esqueceremos, essa é uma das melhores temporadas individuais da história, mas assim como a de Kobe, não vencerá o MVP.


  3.  Nikola Jokic



Principais estatísticas: 20,2 pontos, 10,8 rebotes, 7,4 assistências e 18,9 de PIE


Foi uma grande temporada do sérvio. De encher o olhos. Ele passou de um bom jogador, a futuro da liga. Pivô moderno. Outra diamante da safra europeia que vem tomando conta da NBA. Colocou o Denver Nuggets de volta ao mapa, que não via a liga tão de cima desde os tempos de Carmelo Anthony, em 2009. Com seu jogo básico, farto de fundamentos e sem tanta plástica, prendeu a atenção de todos, até mesmo de Gregg Popovich, que o vê como pilar de um esquema tático, de muita movimentação com e sem a bola, exatamente como Duncan era nos Spurs.


Sua temporada também foi histórica, já que apenas ele e Wilt Chamberlain (1968) foram os únicos jogadores de garrafão a terem médias de pelo menos 20 pontos, 10 rebotes e 7 assistências.


Esse terceiro lugar pode parecer amargo, mas é só um começo de um grande futuro do basquete


  4.  Damian Lillard



Principais estatísticas: 25,9 pontos, 4,6 rebotes, 6,9 assistências e 15,5 de PIE


É impressionante como o time do Portland Trailblazers é resiliente. Não importa o que aconteça, eles sempre dão um jeito de se adaptar a situação e acham uma saída para estarem entre os cinco melhores da conferência. E muito disso vem de seu principal jogador, que desde a primeira temporada se demonstrou “casca grossa”.


As lesões atrapalharam, e uma em especial (Nurkic) chocou. Mas após a parada para o All-Star, Lillard estava muito mais no controle da situação do que nunca. Seu jogo passou a ser mais rotativo, passou a dar quase duas assistências a mais por jogo, se desprendeu da bola. E com isso chegou a  levar Portland a terceira colocação do Oeste e só não se manteve lá por conta do belo trabalho que o segundo colocado desta lista fez, em Houston.



   5. Russell Westbrook



Principais estatísticas: 23 pontos, 11 rebotes, 10,7 assistências e 16,3 de PIE


Ele não podia faltar no top 5 final da temporada. Russell Westbrook, que iniciou esta campanha de forma muito tímida e tanto quanto ofuscada pelo seu companheiro de equipe, foi crescendo  decorrer cansaço físico que pareceu abalar a franquia de Oklahoma, mas não seu armador. Pela terceira vez consecutiva, West atingiu as médias de triplos-duplos, ao anotar 32 deles até aqui.


Russell viu sua dupla ter uma queda assombrosa de rendimento e foi quem segurou as pontas para que o OKC se mantivesse acima da oitava colocação, o que os colocariam em rota de colisão com o Golden State Warriors. Além disso, ele termina a temporada como líder de assistências e o segundo maior roubador de bolas (empatado com Harden e Chris Paul).


Nada mais que justo a quinta posição.


06. Stephen Curry

07. Joel Embiid

08. Paul George

09. Kevin Durant

10. Kyrie Irving


_________________________________________________________________________

Glossário


1. PIE = Player Impact Estimate, que mede a contribuição estatística total do jogador em relação às estatísticas totais dos jogos que ele participou.

2. Scorer = Pontuador, cestinha, aquele que anota muitos pontos ou tem como seu foco pontuar