Minuto49

Minuto49

Mais anéis do que dedos: Bill Russell, o primeiro grande rei da NBA

William Felton Russell nasceu em 12 de fevereiro de 1934 em Monroe, Louisiana, no  Sul dos Estados Unidos.

Grande parte dos estados sulistas norte-americanos da época eram marcados por fortes problemas de racismo e na média cidade de Monroe não era diferente. Os Russells sofriam muito com segregação e há relatos de ameaças de morte ao seu pai e desrespeito de policiais com sua mãe por estarem “usando roupas de brancos”.

Perto da 2ª Guerra Mundial, a família dos Russells mudou-se para Oakland, na Califórnia, em busca de novas oportunidades e para fugir do preconceito de sua cidade natal. Porém, tudo veio por água abaixo e a pobreza acabou sendo a realidade da família durante bom tempo, o que forçou Bill a viver em projetos habitacionais durante sua infância.


Seu pai, Charles, passou boa parte desse tempo como faxineiro e depois do início da Guerra, tornou-se motorista de caminhão, o que acabou afastando muito os dois. Consequentemente, a relação com sua mãe era mais forte, mas a vida deu outro duro golpe no jovem Bill de 12 anos quando sua mãe, Katie Russell, faleceu.

Charles Russell então decidiu largar a estrada para estar mais próximo do filho e participar formação de seu filho. Bill relata que o pai virou seu grande herói de infância ao lado da lenda do basquete George Mikan, que, ao encontrá-lo certa vez durante seus anos de faculdade, disse ao jovem Russell que ele era tão bom que dava medo.

Por incrível que pareça, Bill Russell não tinha familiaridade com o basquete e passou por muitas dificuldades nas primeiras experiências com a bola laranja em mãos. Sua aptidão física, mãos largas, braços longos e, claro, sua altura, foram fundamentais para os técnicos não desistirem dele.


Bill foi para a Universidade após o olheiro Hal DeJulio, da USF (University of San Francisco), ser o primeiro em um bom tempo a lhe fazer uma proposta. Segundo relatos, DeJulio ficou impressionado com o entendimento de jogo de Russell, principalmente nos momentos decisivos de partida. Não demorou muito para o jovem aceitar a proposta e logo virar grande destaque dos jogos universitários.

Russell ainda teve que superar muitos problemas com racismo durante sua vida na faculdade e via no basquete uma forma de quebrar qualquer barreira pré-concebida apenas por sua cor de pele.

Apesar de todos os problemas, o próprio Bill declarou que “nunca aceitou ser uma vítima” e que na época, “não era aceitável um negro ser o melhor jogador.”

“No meu primeiro ano na faculdade, tive o que penso ser uma das melhores temporadas de todos os tempos no basquete universitário. Ganhamos 28 de 29 jogos, o título, fui o MVP do Final Four. [...] tive mais de 20 ponto e 20 rebotes de média e era o único bloqueando chutes na universidade [...] e eles escolheram outro pivô como jogador do ano." Russel diz ter tomado, então, uma decisão consciente: colocar o time antes e acima de qualquer outra coisa e não se preocupar com prêmios individuais. Algo que, sem dúvida, viria a definir sua carreira na NBA.

Russell ainda ganhou os títulos de 1955 e 56 da NCAA, e terminou sua passagem pela universidade com médias de 20,7 pontos e 20,3 rebotes.

Sua tenacidade na defesa e sua habilidade de pegar rebotes atraíram os olhos do lendário técnico celta Red Auerbach, que viu em Russell a peça que faltava para seu time vencer.


Bill foi adquirido pelos Celtics na noite do Draft, em uma troca que é considerada uma das mais importantes da história do esporte americano.

Nos Celtics, Russell formou com Bob Cousy uma das maiores parcerias da NBA e juntos eles conquistaram a liga seis vezes em sete anos, sendo cinco de maneira consecutiva. Após a aposentadoria de seu companheiro, Bill ainda alcançaria o topo da liga mais cinco vezes em seis oportunidades.

Durante sua trajetória na NBA, foram 11 títulos em 13 temporadas, 5 MVPs, 12 All-Star Games, 1 All-Star Game MVP , campeão em duas temporadas como jogador e técnico ao mesmo tempo, 4 vezes líder de rebotes. Bill Russell ainda teve sua camisa 6 aposentada no topo do TD Garden como o grande responsável por fazer dos Celtics o maior vencedor de todos os tempos da liga.