Minuto49

Minuto49

CRISE: LeBron James e executivos dos Cavs já não se falam há meses

Os problemas do Cleveland Cavaliers não são poucos, e nem de hoje. Parece que a pífia administração feita pelo pelo presidente de basquete, Dan Gilbert, não tem hora para acabar.


Cleveland Cavaliers\' LeBron James accepts his NBA championship ring from Cavaliers owner Dan Gilbert before a basketball game against the New York Knicks in Cleveland, Tuesday, Oct. 25, 2016. (AP Photo/Phil Long)


Insatisfeito em ter perdido o melhor jogador do mundo em 2010, tudo caminha para que o presidente dos Cavs seja, mais uma vez, o pivô de uma nova saída do astro. Tudo isso, porque Gilbert, há um tempo, já não consulta mais James para tomar decisões importante, em relação ao elenco.


Esse problema foi ainda mais exposto na reunião do elenco comissão técnica, duas semanas atrás, quando alguns jogadores duvidaram de um suposta doença que tirou Kevin Love do jogo diante do Thunder.


Na tarde de ontem, Jayson Lloyd, do jornal The Athletic, noticiou que a relação James-Gilbert vai de mal a pior, além de que Koby Altman (GM) é persona non grata, para James. Essa situação passa por doi pilares: Kyrie Irving e David Griffin.


KYRIE IRVING


CLEVELAND, OH - OCTOBER 17: Kyrie Irving #11 of the Boston Celtics and LeBron James #23 of the Cleveland Cavaliers walk up court on October 17, 2017 at Quicken Loans Arena in Cleveland, Ohio. NOTE TO USER: User expressly acknowledges and agrees that, by downloading and/or using this Photograph, user is consenting to the terms and conditions of the Getty Images License Agreement. Mandatory Copyright Notice: Copyright 2017 NBAE (Photo by Jesse D. Garrabrant/NBAE via Getty Images)


LeBron James bem que tentou convencer aos Cavaliers de não trocarem Kyrie Irving, na última offseason, mas a equipe concretizou um acordo com o rival Boston Celtics, sem consultar LeBron.


Segundo Lloyd, o General Manager Koby Altman, informou seu astro, sobre a troca, só após fechar acordo com os Celtics. Em contrapartida, o Rei tentou reintegrar Irving aos treinos, antes que a troca fosse feita, mas os dirigentes barraram. Lembrando que, muitos veículos americanos desmentiram que Irving não quisesse mais jogar com James e sim que ele decidiu não ficar mais, depois de descobrir que estava sendo envolvido em negociações por jogadores como Paul George e Carmelo Anthony (ambos de agrado de James).


Outra história confirmada por Lloyd, é de que LeBron recrutou Jamal Crawford para assinar com os Cavs e na intenção de segurar o ímpeto do Rei, Gilbert barrou a aquisição, dando a última vaga do roster para Cedi Osman.


Na visão de Gilbert, movimentos assim trazem danos futuros a equipe, beneficiando apenas James. Além de retirar o poder de decisão de quem (na visão dele) mais deve ter.



DAVID GRIFFIN


David Griffin trabalhava na contra-mão de Gilbert. Era próximo a James e sempre se preocupou em ouvir as grandes estrelas de seu time, para fazer movimentos no elenco. Assim, Griffin foi agente muito importante na reconciliação de LeBron e Cleveland, o que gerou o único título da franquia.

Griffin, no programa The Starters, comentou os movimentos exigidos por James e a posição em que o astro coloca a diretoria da equipe:





Não renovar o contrato de Griffin, ao final da última temporada, foi uma decisão política de Dan Gilbert, na finalidade de mostrar resistência a uma força maior (LBJ). Com o ex-GM fora de jogo, LeBron também teve suas opiniões resumida a opiniões, e nada mais.


...E ONDE ISSO LEVARÁ OS CAVS?


Bem, depois de ser ignorado pelos executivos máximos da franquia, para tratar destes dois assuntos, LeBron James já não confia mais na diretoria e vê seu ciclo “em casa” chegando ao fim. Provavelmente, o melhor jogador do mundo irá testar o Free Agency ao final desta temporada, podendo ouvir as mais interessantes ofertas (Rockets, Lakers, 76ers, Spurs, etc.).


E o Cavs? Ah, o Cleveland Cavaliers, muito provavelmente voltará a ser uma equipe que brigará pelas últimas vagas dos Playoffs (isso se brigar, rs) e ao poucos perceberá o tamanho da incompetência de perder suas duas melhores escolha de Draft (LeBron e Irving), para um péssimo executivo.


Livio Muniz, São Paulo, 07/02/2018